CNA

Sobre o Sistema CNA

 

logo cnaO Sistema CNA funciona da seguinte forma: as Federações da Agricultura trabalham nos Estados, os Sindicatos Rurais no âmbito dos municípios e a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária – CNA atua na defesa dos interesses dos produtores rurais brasileiros junto ao Governo Federal, ao Congresso Nacional e aos tribunais superiores do poder Judiciário, nos quais dificilmente um produtor, sozinho, conseguiria obter respostas para as suas demandas.

O Sistema CNA abrange três entidades: a CNA (representação e defesa dos interesses dos produtores rurais), o SENAR (Formação Profissional Rural e Promoção Social) e o Instituto CNA (estudos e pesquisas na área social e no agronegócio).

A importância do CNA na vida do produtor rural

A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária – CNA – é responsável por congregar associações e lideranças políticas e rurais em todo o País. A CNA também apóia a geração de novas tecnologias e a criação de agroindústrias responsáveis por aumentar a produtividade rural. Outra grande iniciativa da entidade é a cooperação e apoio aos programas regionais de desenvolvimento agrícola, especialmente aqueles que se destinam a reduzir as desigualdades geoeconômicas em todos os Estados brasileiros.

Mercado Agropecuário de Redução de Emissões - MARE cartilha abc Baixa  7 11 20111

A adoção de métodos produtivos menos intensivos em carbono pelos setores econômicos é a única forma acessível à civilização contemporânea para desacelerar o aquecimento global. Para auxiliar o produtor rural brasileiro nessa empreitada, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por meio de sua recém-lançada Política de Baixo Carbono da Agropecuária (PBCA), está fortalecendo a criação de uma plataforma comercial de créditos de carbono gerados a partir da implantação de seis práticas agrícolas sustentáveis já listadas no pioneiro programa federal Agricultura de Baixo Carbono (ABC).

No chamado Mercado Agropecuário de Redução de Emissões (MARE), agricultores e pecuaristas poderão negociar esses certificados de emissões reduzidas como mais um produto proveniente de sua propriedade agrícola, transformando a proteção ambiental em oportunidade de desenvolvimento econômico e social.

Alinhado à Política Nacional de Mudanças Climáticas (PNMC) e ao programa governamental que pretende evitar, voluntariamente, a emissão de 165 milhões de toneladas de CO2 nos próximos dez anos no meio rural, o MARE vai possibilitar a negociação de títulos de carbono no mercado internacional gerados por projetos concebidos a partir dos critérios do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) estabelecido pelo Protocolo de Quioto ou do Padrão Voluntário de Carbono (VCS, na sigla em inglês), metodologia que incorpora a soma das emissões evitadas pela redução do desmatamento.

Voltar   |   Principal
Logomarca PNBSAE

Logomarca PARCEIROS